PESQUISA

Últimos posts

Bom dia, gente. Tudo bem? Ontem eu assisti o tão esperado filme extraordinário, e confesso que estou com um caso de amor de ódio por esse filme.



Extraordinário é um filme de 2017 dirigido pelo Stephen Chobosky, que foi inspirado no livro Extraordinário da R. J Palacio e conta a história do personagem Aggue, uma garotinho que sofria bullying na escola por causa de uma deformação no rosto que ele tem de nascença, e nem mesmo 27 cirurgias resolveu o problema dele.
Quando ele completa 10 anos de idade, os pais e ele resolvem coloca-lo em uma escola para que ele possa ter uma vida normal, já que antes ele era educado em casa pela mãe, e ele começa enfrentando vários desafios pela primeira vez.

A história do filme é muito importante, ela levanta várias questões importantes, nos faz refletir, nos ensina a valorizar mais ainda o que há dentro. Mas infelizmente eu achei que faltou algo mais, faltou mais veracidade no filme. Sem contar a montagem do filme que parece uma verdadeira bagunça, algumas cenas não parecem ter conexão.
A fotografia do filme eu não achei com muito sentido, uma hora ela é bem escura como em filmes de terror e outra hora ela é clara, e não tinha sentimento nenhum.

Quanto as atuações, tiveram atuações excelentes e outras mais ou menos.


O Jacob Tremblay como sempre, com uma atuação impecável, apesar de eu preferir a atuação dele em Room, ele foi incrível como Aggue. Ele sabe passar o sofrimento de uma forma que te faz querer abraçá-lo, apesar de eu ter achado o filme um pouco raso. A Julia Robberts convenceu muito como mãe, ela praticamente abdicou a sua vida para se dedicar ao filho, e a cada sofrimento dele, ela sofre junto.


A Via, interpretada pela Izabela Vidovic, é uma personagem muito profunda, apesar dela amar muito irmão, ela se sente só o tempo inteiro, já que perdeu a amizade de sua melhor amiga e a família parece se preocupar somente com o Aggue devido a condição dele.

Apesar do filme ter uma história bem bacana, eu achei que ele não teve tanta profundidade como deveria ter. Sei que já disse logo ali acima, mas eu precisava enfatizar. Sabemos que na vida real a vida desse garoto seria mil vezes mais difícil do que o filme demonstra.


O Noah Jupe que interpreta o Jack, também foi um dos destaques do filme e convenceu no papel de um menino empático.
Para mim, esses são os 4 personagens fundamentais do filme. Os outros, tiveram suas atuações bem rasas.

Mas enfim, gente. É isso, só queria fazer algumas considerações do filme. Vejam porque a história em si é bem bacana.

Trailer: 


Beijão e até a próxima.

Comente pelo Facebook!

Comente pelo Blog!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *